Ayrthon Nenê Caetano

Peão Campeiro

Play

Na quele dia como de costume o peão levantou cedo
Dobrou os pelegos colocou num canto e foi lavar o rosto
Destra melou a porta foi abrindo o rancho para a brisa entrar
O cusco latiu abanando a cauda para lhe saudar

João deu lhe agrado apreciou a aurora pegou uma vasilha
Foi até o poço puxou um balde de água e meteu na cara
E de golfada lavou bem a boca jogou tudo ao chão
Se encaminhou pra acender o fogo junto ao galpão

Abancado num cepo principiou o mate enrolou um palheiro
Enquanto pitava e sorvia o amargo pensava na lida
Com a mente exaurida, mas com muita força pra qualquer trabalho
Mexia com um galho o fogo matreiro como a própria vida

Virou a cabeça contemplou a aurora meio bocejante
No mesmo instante em que um tico-tico pousou na janela
Foi quando o quera notou que o sol já vinha sorridente
O baio na frente estava pastando bem junto a cancela

Repousou a cuia na cambona preta pelo picumã
Era manhã foi encilhar o pingo para camperiar
Num trote largo cruzou a porteira sem olhar pra traz
Coisas que faz o peão campeiro em seu labutar

Abancado...